António Milheiro

Mentalidade de Crescimento

Índice do Artigo

(Tempo de Leitura: 7 minutos)

Em tudo nascem oportunidades, concordas? Mas para que a oportunidade emerja de uma qualquer situação da vida é essencial “sair da nossa zona de conforto”!

Oportunidade versus sair da zona de conforto e o paralelismo do tema com o trabalho da psicóloga Carol Dweck sobre o que ela chama de “mentalidade de crescimento”.

Em 2007, Carol Dweck e mais dois colegas da Universidade de Stanford fizeram uma experiência num liceu americano: se eles treinassem os alunos na “mentalidade de crescimento”, será que eles conseguiriam melhorar a matemática?

Eles escolheram propositadamente um liceu onde 80% dos alunos viviam num contexto socioeconómico difícil, e criaram 2 grupos: o grupo de controlo aprenderia uma competência genérica e o grupo da experiência aprenderia a “mentalidade de crescimento”.

Estes alunos aprenderam que o cérebro é como um músculo que pode ser desenvolvido com exercício, e que se eles trabalhassem poderiam efetivamente melhorar. Afinal, explicaram-lhes, “ninguém se ri de um bebé porque ele não sabe falar”.

Tudo é difícil antes de ser fácil.

Foi-lhes explicado que tudo é difícil antes de ser fácil – tal como aprender a andar de skate ou a tocar guitarra – e que eles não deviam desistir só porque não dominavam um tema imediatamente. No total, estes alunos receberam 2 horas de treino ao longo de 8 semanas.

Foi então pedido aos professores de matemática dos 2 grupos, que não tinham conhecimento da experiência, que identificassem os alunos que tiveram uma mudança visivelmente positiva na disciplina.

Os resultados falaram por si: 76% dos alunos identificados pertenciam ao grupo que foi treinado na “mentalidade de crescimento”!

Pessoas com “mentalidade fixa” acreditam que as suas capacidades são basicamente estáticas, que nasceram com elas e que mudarão muito pouco ao longo da vida.

Por isso, tendem a evitar desafios, porque se falharem, receiam que os outros vejam essa falha como uma indicação da sua verdadeira capacidade.

Pessoas com “mentalidade fixa” usam expressões como “Burro velho não aprende línguas”, “Isso não é para mim” ou “Nasci assim, não posso fazer nada”.

Em contraste, pessoas com “mentalidade de crescimento” acreditam que as capacidades são como músculos, podem ser construídas com a prática. Pessoas com esta mentalidade tendem a aceitar desafios e críticas como oportunidades de aprendizagem.

Infelizmente, no mundo dos negócios, implicitamente rejeitamos a “mentalidade de crescimento”, porque pensamos em duas fases:

Planear e Executar.

Não há, na maioria dos casos, uma fase de aprendizagem ou de prática. Da perspetiva de muitos gestores, esta é apenas o equivalente a má execução. O que importa são os resultados.

No entanto, também sabemos que falhar faz parte do crescimento de qualquer empresa ou empresário (de fato de qualquer pessoa) e é um “requisito obrigatório” da inovação.

Daí que a forma como as pessoas – e os líderes em particular – entendem e aceitam que falhar faz parte do processo de aprendizagem seja fundamental.

É esse entendimento que permite às pessoas com “mentalidade de crescimento” desafiarem-se a si próprias, correrem riscos, aceitarem feedback, pensarem no longo-prazo e assim progredirem continuamente nas suas vidas pessoais e profissionais.

Só com “mentalidade de crescimento” é possível atingirmos o nosso máximo potencial.

Daí que o nosso lema seja “Cresce com o teu Negócio” e temos como um dos pilares essenciais para esse crescimento a “Atitude de Excelência”, isto é a atitude de dar sempre o teu máximo potencial e estar sempre aberto à aprendizagem,

Se desejas empreender com sucesso precisas exercitar esta mentalidade de forma obstinada, sempre, para que atinjas níveis de Alta Performance que te assegurarão infalivelmente a prosperidade e o sucesso, não só na tua vida profissional e empresarial, mas também e seguramente na tua vida pessoal, familiar e social.

O Método Evolve 5

Por isso desenvolvemos um método inovador, ousado, para pessoas com atitude e que, se vão a jogo é para ganhar e não para simplesmente não perder!

É esta atitude de vencedor que faz do ser humano um persistente, um obstinado pelo seu propósito, que quando cai, se ergue de imediato e segue caminho, que aprende com os “erros”, que tem mentalidade de crescimento, que é observador suficiente para redirecionar suas trajetórias rumo ao seu propósito para o qual jamais perde clareza, intenção compromisso e persistência seguro que assim o alcançará!

Para a aplicação e aprendizagem deste Método criamos a Escola do Evolve” onde ensinamos e acompanhamos passo a passo a tua trajetória para criares e ou expandires o teu negócio.

Acreditamos que o Marketing Multinível é crescimento pessoal disfarçado de um negócio, como a ele se referia o meu mentor Rui Gabriel.

E porquê?

Porque não é ao acaso que nomes sonantes da área empresarial o consideram um modelo de negócio pessoal, se não totalmente perfeito, aquele que te permite criares uma renda passiva e alcançares liberdade financeira, sem riscos elevados!

É até considerado pelo prestigiado Robert Kiyosaki como O Negócio do Século XXI! Aliás o próprio Robert Kiyosaki, autor do best seller “Pai Rico, Pai Pobre” criou a teoria dos quadrantes em que refere que só tem possibilidades de alcançar liberdade financeira os donos de negócios e os investidores.

Então lembra-te:

Tens trabalhado muito nos últimos anos galgando a escada organizacional que a sociedade preparou para ti? E sabes mais, não importa o quanto tenhas subido ou mesmo que aches estar já perto do topo!

Importante é a pergunta que certamente te esqueceste de fazer: Onde é que a minha escada está apoiada?

Não importa o quão rápido ou quão alto tu sobes nessa escada se ela estiver apoiada no tipo de muro errado!

Desafio-te a que vejas onde a tua escada está apoiada e o que te aguarda nessa escalada! E se não estás feliz, tenta pelo menos descobrir para onde queres movê-la!

Como é que fazes DINHEIRO?

 

 

 

 

 

 

Em “O Negócio do Século XXI”, Robert Kiyosaki refere que a maioria das pessoas assume que a sua posição financeira é definida pelo quanto elas ganham, pelo quanto valem ou alguma combinação das duas.

Mas mais importante do que a quantidade de dinheiro que uma pessoa faz, é como faz – ou seja, de onde vem.

Segundo ele e a sua “teoria dos quadrantes”, existem quatro fontes distintas de fluxo de caixa. Cada uma delas é distinta das outras e cada uma delas define e determina um estilo de vida muito diferente, mentalidades diferentes, e por isso não importa a quantidade de dinheiro ganho!

A saber:

E = Empregado.

A = Autónomo (trabalhador independente) ou pequenas empresas.

D = Dono de uma Empresa.

I = Investidor.

Em que quadrante vives ou de qual quadrante recebes a maior parte das receitas com as quais vives?

O quadrante E é aquele dentro do qual a esmagadora maioria de nós aprende, vive, ama e morre inteiramente, pois nossa cultura e sistema educacional nos treina desde o berço até ao túmulo a viver nele!

Vá para a escola, estude muito, tire boas notas e consiga um bom emprego, com benefícios, numa grande empresa!

Ensinam-nos a trocar o nosso tempo por DINHEIRO!

Aqui os valores são os da segurança (no emprego – com bom salário e excelentes benefícios e na vida social lazer, desportos, espetáculos e compras)

O quadrante A é aquele em que se posicionam as pessoas impulsionadas pela ânsia de mais liberdade e autodeterminação e que migram do quadrante E para este, sendo este o lugar para onde as pessoas vão em busca de sucesso e de realização de sonhos.

Este quadrante engloba uma gama enorme de formas de adquirir renda, desde uma ama em início de atividade, até ao advogado, consultor ou palestrante altamente remunerados.

Mas ganhe o que ganhar, este quadrante é tipicamente uma armadilha porque se pensa que se demitiu o chefe ou o patrão, mas o que acontece é que realmente apenas mudou de patrão!

Continua empregado, só que quando precisar de culpar seu chefe ou patrão, esse é o próprio. Além disso é um lugar ingrato porque todos lhe exigem, incluindo impostos e nunca tem tempo para nada!

De uma forma muito real este quadrante significa “escravidão”. Ao invés de ser dono de um negócio próprio, o seu negócio é que é o seu dono!

Aqui os valores são os da liberdade de fazer aquilo que desejam.

Se quer algo bem feito, faça você mesmo! Por isso tornam-se proprietários de microempresas ou tornam-se especialista numa atividade liberal, ou que ganham com pequenos negócios de venda.

São aqueles que por detrás da fachada de independência não querem se comprometer com empreender de fato, o que revela falta de confiança na forma como gera a sua atividade profissional, o que espelha igualmente a forma como aborda a própria vida.

E o que falta para transitar para o quadrante D é geralmente a falta de liderança!

O quadrante D é o lugar para onde as pessoas vão para criar uma Empresa e a diferença é que aqui o negócio é que trabalha para o seu dono e o dono de negócio neste quadrante torna-se à prova de recessões, crises ou mesmo pandemias, porque controla a fonte da própria renda!

Aqui a mentalidade não é de empregado, mas de empreendedor e criador de renda passiva!

É por este fato que se enquadra neste quadrante D o dono de um negócio de Marketing Multinível (Netwoker), enquanto criador de renda passiva com a qual pode migrar para o quadrante I e assim tornar-se igualmente num investidor!

Aqui o valor essencial é a construção de riqueza.

Habitualmente costumam ter poderosas missões de vida, valorizam a excelência, a eficiência e servir e trabalhar com o máximo de pessoas possível! Por isso procuram os melhores talentos para se juntarem às suas equipas!

O quadrante I é aquele onde se posicionam todos quantos têm a mentalidade de gerador de riqueza, de liberdade financeira, porquanto é onde o DINHEIRO cria mais e mais DINHEIRO!

Só mesmo os Investidores têm esta mentalidade e usam esta função do Dinheiro que é gerar mais dinheiro, gerar riqueza!

O que é preciso fazer para mudar de quadrante?

Romper com as típicas estruturas de trabalho e criar o próprio fluxo de renda, o que coloca a pessoa na melhor posição possível para enfrentar uma tempestade económica, porque assim a pessoa não depende de um chefe, patrão ou da economia para determinar a sua renda anual. É o próprio que a determina”

Pelo menos 80% da população mundial vivem nos quadrantes E e A, mas é nos quadrantes D e I onde a liberdade reside!

Nos dois primeiros a mentalidade é de segurança e nos dois últimos é o espírito criativo e de empreendedorismo!

Nestes a pessoa não só muda o que faz, mas de uma forma muito real, também muda quem é, ou pelo menos, como pensa.

É por isso que falamos em Cresce com o teu Negócio.

Para poderes vir a criar renda passiva é preciso mudares a forma como pensas, transformares-te num empreendedor, seres uma pessoa que vive em Alta Performance.

Viver em Alta Performance é viver num estilo de Vida saudável e produtivo, que sabe e quer criar riqueza para servir e deixar um legado para o Mundo – deixá-lo melhor do que o encontraste!

Uma coisa é ser rico ou pobre, outra coisa bem diferente é ter mentalidade próspera, abundante e gerar riqueza para engrandecer o Mundo!

Aqui o valor é a liberdade financeira.

O Investidor adora a ideia do dinheiro trabalhando para ele, em vez de ele próprio trabalhar!

Mas quer o quadrante D, quer o I, permite que a pessoa possa parar de trabalhar por meses ou até anos e o dinheiro continuará a fluir porque criaram fonte de renda!

Agora responda: E na tua “empresa”, que mentalidade prevalece?

Queres mudar de quadrante e fazer parte dos quadrantes D e I?

Essa é a proposta que o Método Evolve 5 te desafia a empreender!

Para isso criamos este Método com os seus pilares e com todas as valências que precisas para aprender e praticar conhecimentos de MLM, de Marketing Digital, de Empreendedorismo, de Liderança, de Gestão Financeira, de Alta Performance para te tornares na pessoa que sempre quiseste Ser!

Gostaste deste artigo? Partilha!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Pensamos que poderás gostar destes Artigos Relacionados com o que acabaste de ver!