António Milheiro

Como atingir a excelência e empreender com sucesso cultivando a ALTA PERFORMANCE (parte 5 de 5).

Índice do Artigo

(Tempo de Leitura: 23 minutos)

Na parte 1 sobre os Hábitos da Alta Performance te falei dos 3 primeiros hábitos – Os hábitos pessoais – dos 6 Hábitos da Alta Performance e

Na parte 2 falei-te do 4º. Hábito – Aumentar a Produtividade (o 1º. dos Hábitos Sociais).

Na parte 3 falei-te do 5º. Hábito – “Desenvolver Influência” (o 2º. Hábito Social).

Na parte 4 falei-te do 6º. Hábito – “Demonstrar Coragem” (o 3º. Hábito Social), e agora…

Nesta parte 5, último artigo, sobre o tema, vou falar-te de como “MANTER O SUCESSO” para que tu possas vivê-lo em tua vida através da Alta Performance.

“A culpa, caro Brutus, não está nas nossas estrelas, mas em nós!”

  • William Shakespeare, Júlio César

ASSASSINOS DA ALTA PERFORMANCE – AS TRÊS ARMADILHAS

  • Cuidado com a Superioridade
  • Cuidado com a Insatisfação
  • Cuidado com a Negligência

Estas três armadilhas podem levar-te ao fracasso!

Não falo de um fracasso qualquer, mas daquela calamitosa queda em desgraça que as pessoas da Alta Performance podem experimentar quando se tornam tão boas, que se esquecem daquilo que as levou a ser bem-sucedidas.

As “antipráticas” da Alta Performance começam quando tu pensas que estás separado (a) dos outros, que és melhor que os outros, que és mais capaz que os outros e sobretudo que és mais importante que os outros!

Estas “antipráticas” da Alta Performance são as atitudes que destroem a tua carreira de sucesso!

Elas levam aos problemas que te surgem se a tua abordagem passar a ser a de “nunca estar satisfeito” e de “parar é morrer”! Estas abordagens tuas sugam a tua paixão pelo servir e levam-te ao excesso de compromisso.

Vamos ver os sinais de aviso – os pensamentos, os sentimentos e os comportamentos que derrubam as pessoas da Alta Performance do seu pódio!

Existem padrões óbvios:

  1. Quando as pessoas de Alta Performance caem do seu pódio, os culpados mais frequentes (para além de terem deixado de praticar os 6 Hábitos e as suas práticas inerentes) resumem-se às três armadilhas;
  2. Quando as pessoas da Alta Performance se voltam a erguer, os 6 Hábitos foram o veículo da sua nova ascensão, e
  3. Quando as pessoas da Alta Performance se referem ao percurso de altos e baixos, é mais que óbvio que elas nunca querem repetir os mesmos erros de novo!

A queda foi demasiado dolorosa para que queiram consentir novamente nesse logro!

Pensa o quanto frustrante é quando se falha no princípio de um caminho.

Mas agora imagina o quanto o sentimento é muitíssimo maior quando se fracassa violentamente depois de se ter tido sucesso!

Para compreenderes melhor, antes de vermos as três coisas (armadilhas) que levam as pessoas de Alta Performance a fracassar depois dum prolongado sucesso, vamos ver aquilo que não causa a queda do pedestal:

  • O medo – Este não foi a causa da queda porque não era um problema para as pessoas de Alta Performance que aprenderam a ficar confortáveis com isso!
  • A competência – Esta também não foi a causa por que sem ela jamais teriam sucesso!
  • Os outros – Também não são a causa por que as pessoas de Alta Performance assumem a sus responsabilidade pessoal pelo seu percurso.
  • A criatividade – Também não é a causa por que as pessoas de Alta Performance têm sempre boas ideias.
  • A motivação – Também não é a causa por que se não fosse por mais nada, pelo menos estariam altamente motivadas para voltarem a ter sucesso.
  • Os recursos – Muito menos os recursos são a causa por que se não os têm sabem como reuni-los.

É claro que tudo isto poderiam ser motivos paras as pessoas comuns falharem, mas estes aspetos não são pontos de fracasso numa performance sustentada e alta.

Mas uma coisa elas sabem. É que fizeram asneira!

E as verdadeiras armadilhas do fracasso são internas – padrões negativos de pensamento, de sentimentos e de atitude na ação – que matam, devagar a nossa humanidade, o entusiasmo e bem-estar da Alta Performance.

E como disse as armadilhas são a superioridade, a insatisfação e a negligência e só evitando estas três armadilhas e mantendo os Hábitos é possível ser bem-sucedido e em Alta Performance.

 

SUPERIORIDADE – ARMADILHA Nº 1

 

“Existem dois tipos de orgulho, o bom e o mau. O orgulho bom representa a nossa dignidade e autorrespeito. O orgulho mau é o pecado mortal da superioridade, que fede a presunção e arrogância”.

  • John Maxwell

 

Um conjunto único de armadilhas é o que enfrentam as pessoas de Alta Performance porque quando se está a experimentar mais sucesso do que aqueles que estão à sua volta, é fácil ficar convencido.

Pode começar-se a pensar que se é especial. Alguém à parte, melhor e ou mais importante do que os restantes.

E ninguém se quer aliar a egocêntricos, narcisistas, presunçosos, arrogantes ou elitistas

Sabes disso porque é possível que já tenhas conhecido alguém que se considerava superior a ti e aos outros! E estou seguro de que não fazes uma associação positiva a esse tipo de pessoa.

E o que na verdade pode ocorrer é que quando se obtém mais sucesso, se pode facilmente ser apanhado por essa armadilha e ficar na prisão desse erro letal.

Até pode acontecer que não estejas a demonstrar um ego gigantesco, mas existem dezenas de graus de superioridade, por vezes subtis como:

Pensaste recentemente que as tuas ideias são sempre melhores e de algumas pessoas com quem trabalhas são idiotas?

Achas que tens tudo sob controlo e por isso não pedes à tua equipa para rever o teu trabalho e verificar teus possíveis erros ou omissões?

Quando és ultrapassado no trânsito aceleras para passar à frente da pessoa só para lhe mostrar quem manda ou é melhor?

Não reveres o teu trabalho porque é sempre bom e não precisas?

Menosprezas alguém para pareceres melhor?

Continuas a discutir com teu cônjuge apesar de ter sido claro sobre o seu ponto de vista e que não vai mudar?

Pois é! Como vês a superioridade desvia-nos pouco a pouco e subtilmente do caminho. E quando nos controla começamos a nos comportar como adolescentes parvos!

Já não pedimos ajuda ou a contribuição das pessoas porque achamos que temos sempre razão. Perdemos a noção do valor da contribuição e do poder dos outros e do trabalho em equipa.

Destruímos conexões e minamos a camaradagem que torna o sucesso divertido e compensador e acabamos sós!

Começamos a ser vítima dos nossos preconceitos e passamos a interpretar aquilo que vemos como uma confirmação das nossas crenças de que somos melhores e negligenciamos ou não damos valor às evidências em contrário.

Assim perdemos a nossa performance!

O bom é que podemos aprender a identificar quando e como esses pensamentos surgem na mente e como evitar ceder-lhes.

O quando a superioridade aflora é com o cultivar da separação e da certeza.

Também se cria a crença de que estar no topo é solitário. Mas nada é mais incorreto e destrutivo.

Acredita-se nela porque acha-se que os outros nunca poderiam compreender nossas vidas!

Contudo a humanidade tem mais de sete milhões de pessoas e garantidamente há uma grande probabilidade de alguém, algures, já ter passado por aquilo que estás a viver e poder facilmente compreender a tua situação e aconselhar-te.

Lembra-te que todo o isolamento é, em última instância, autoimposto. Senão repara:

  • Não és o (a) primeiro (a) empreendedor (a) a encarar a falência.
  • Não és a primeira mãe ou o primeiro pai a perder um filho.
  • Não és o primeiro patrão a ser enganado por um empregado.
  • Não és o (a) primeiro a ser traído (a).
  • Não és o primeiro ambicioso (a) a perder o seu sonho.
  • Não és o (a) primeiro (a) líder a ter uma grande equipa para gerir.
  • Não és a primeira pessoa saudável a, repentinamente, ter que combater um cancro.
  • E, não és seguramente, a primeira pessoa a ter que lidar com a depressão ou vício, seja teu ou de um ente querido.

Quando te confrontas com uma qualquer destas dificuldades, fica fácil acreditares e sentires que és a única pessoa no mundo a lutar com isso. Mas é pura ilusão!

Não existe nenhuma emoção ou situação humana com que te depares e te debatas que alguém, algures, não consiga compreender, se tu estiveres suficientemente vulnerável e aberto para partilhares os teus pensamentos, sentimentos e desafios.

“A falta de compreensão dos outros apenas cresce com o teu silêncio”.  

Podes dizer a ti mesmo (a) que ninguém na tua equipa “percebe”, mas é apenas o teu Ego a cegar-te em confronto com o valor que os outros podem agregar!

Se tens ambição, nunca te esqueças que somos todos uma família humana e que há somente duas histórias na narrativa da Humanidade, e que podes conhecer e relacionar-te com ambas e recorda-te que essas duas histórias são a LUTA e o PROGRESSO.

Por isso as pessoas conseguem compreender a tua luta e as tuas vitórias.

Por isso as pessoas conseguem compreender as tuas escolhas difíceis, mesmo que elas próprias nunca as tenham feito.

Se não acreditas, então estás a contar a ti mesmo (a) uma história que não é natural e por isso desconectada da realidade dos mais de sete mil milhões de seres humanos que têm corações, sonhos e sofrimentos

Haverá sempre alguém, algures, mais inteligente, que ganha mais, que treina mais e afeta mais de forma positiva maior número de pessoas que tu!

Há igualmente alguém que já resolveu o dilema e dominou a coisa que tu achas que te torna tão diferente dos outros!

Se porventura conseguires encontrar essa pessoa, poderás ter encontrado um mentor, uma solução e um caminho para a realidade e para a humildade!

A Síndrome do sozinho-no-topo


A Síndrome do sozinho-no-topo é mesmo corrosiva. Esta Síndrome é caracterizada por dois aspectos

Primeiro

As pessoas de Alta Performance raramente acham que estão no topo! A maioria sente que está apenas a começar!

Compreendem que são simplesmente alunos na escola da vida e, independentemente de quão incrível possa parecer o seu sucesso, sentem que apenas ainda alguns passos rumo à mestria.

Segundo

Se começaste a desvalorizar as capacidades dos outros, lembra-te em especial quer jamais consegues maximizar o teu potencial enquanto menosprezas os outros.

Tudo aquilo que obtiveste na vida não foi por seres tão especial, mas sim por teres sido abençoado (a).

De facto, uma grande parte da diferenciação na performance ao teu nível se resume aos hábitos que tens vindo a conhecer – e qualquer pessoa pode começar a implementá-los – reforçados pela exposição, a formação, a prática constante e ao acesso a mentores, treinadores ou exemplos motivados pela excelência!

Então jamais julgues os outros como estando abaixo de ti e ou separados!

Lembra-te de que tudo é suscetível de ser treinado!

Por isso toda a gente pode vencer na vida e toda a gente tem capacidade para ter sucesso!

Também já podes ter estado numa má situação, ou já te esqueceste disso? Mas melhoraste! Então porque não dares aos outros a mesma oportunidade?

Quando fizeres isso é aí que vais começar a sentir mais compaixão!

E é aí, amigo, quando vais começar a lutar contra qualquer possibilidade de complexo de superioridade.

Mas a luta ainda não está ganha, porque os pensamentos de separação são tão somente sementes de superioridade! E elas crescem no solo da certeza se aí as semeares e cultivares.

O quão insuportável seria lidares com uma pessoa que julga ter a certeza das coisas:

De ser melhor do que outra pessoa ou o grupo, de ser o melhor naquilo que faz e por isso dispensa apoios ou pontos de vista, de merecer toda a admiração ou concordância das pessoas por ser quem julga ser e de que as pessoas não a compreendem e que não tem culpa de nada!

Creio que não te sentirias inspirado (a) a trabalhar com uma pessoa assim.

É essa certeza que lhes fecha a mente para a aprendizagem, a conexão com os outros e por fim ao crescimento por ficar cego a novas perspetivas ou oportunidades.

No momento em que alguém se torna absolutamente certo, é o momento em que a superioridade ganhou.

Qual a solução? O primeiro passo é a consciencialização e o segundo é desenvolver hábitos que ajudem a manter-se humilde e aberto.

A humildade é a virtude raiz que permite que muitas outras cresçam, como positividade e produtividade, fidelidade, cooperação, compaixão, sociabilidade, aceitação, otimismo, esperança, determinação, tolerância e abertura!

Como manter humildade?

– Desenvolvendo mentalidade mais aberta e orientada para a experiência. A aprendizagem é a bigorna em que se forja a humildade. E para evitar pensar que é superior aos outros procure ideias alheias para melhorar tudo o que faz. Cria o hábito de perguntar: Se pudesses melhorar a minha ideia, o que farias?

– Contrate alguém como um coach, um treinador ou um terapeuta se acha que o seu pensamento não está aguçado ou se o seu crescimento parou porque os profissionais podem ajudar a usar ferramentas comprovadas para o crescimento.

– Lembra-te que a confiança se conquista cuidando dos outros e não se vangloriando. Desafia-te a te interessares mais pelas pessoas perguntando-lhes mais quem são, de onde vêm e o que querem alcançar e procura conhecê-las melhor para as ajudar.

– Assume a responsabilidade das tuas ações ao refletires sobre o teu papel.

– Mantém uma prática de te relembrares das tuas bênçãos e sê grato por elas. Quanto mais grato fores mais cultivas a humildade

Exercícios práticos

  • Uma situação recente em que dei por mim a ser muito crítico ou desdenhoso dos outros foi …?
  • Os pensamentos que tinha sobre mim e os outros envolvidos naquela situação eram …?
  • Se imaginasse de a situação de um ponto de vista mais humilde e grato, é provável que entendesse que …?
  • A melhor maneira de me relembrar que toda a gente está a lidar com dificuldades na vida e que somos todos mais parecidos do que diferentes é …?

INSATISFAÇÃO – ARMADILHA Nº 2

 

“Fique satisfeito com o sucesso até da coisa mais ínfima e pense que nem sequer esse resultado é trivial!

  • Marco Aurélio

 

A forma como alguém explica a sua performance é verdade para si mesmo.

Há um problema que eu localizo quando oiço dizer que toda a gente devia recusar se sentir satisfeito com a vida e a carreira, porque essa insatisfação leva a mais sucesso! Incorreto!

Prova disso é que as pessoas com Alta Performance não estão insatisfeitas consigo mesmas, com a vida ou o trabalho.

As pessoas com Alta Performance são, na realidade, mais felizes que a maioria e sentem-se satisfeitas e bem recompensadas e cultivam experiências que são mais positivas do que negativas e sentem muitas vezes a alegria no âmago dos seus esforços.

Há que desmistificar o poderoso mito sobre a performance que diz que devemos estar insatisfeitos com o nosso trabalho porque a satisfação leva à complacência!

Porem, aqueles que nunca estão satisfeitos também nunca estão em paz e não conseguem concentrar-se o que os impede de encontrar o ritmo que os faz sentirem-se vivos e eficazes.

A ausência de satisfação impede-os de sentir conexão e gratidão pelo momento. Que não sente satisfação não vivencia envolvimento e a alegria de quem tem alta performance.

Igualmente a insatisfação cria a obsessão do negativo e isso leva ao hábito de perder o que está a funcionar e a não elogiar ou apreciar os outros, impedindo a gratidão que dá magia e torna possível a liderança.

A insatisfação impede igualmente o sentimento de realização e converte o insatisfeito num fantasma atarefado e vazio numa busca por um dia de sonho em que atinja a perfeição.

Por isso a insatisfação é o primeiro passo no caminho da infelicidade e baixa performance.

Então se a insatisfação é tão prejudicial à performance, porque será que ainda há tanta que pensa que para ter sucesso tem que estar insatisfeita?

Porque parece simplesmente natural e um hábito evolutivo da espécie humana reparar no que está errado numa qualquer situação, sentir-se insatisfeito e melhorar ou acautelar-se, assim sobrevivendo!

Mas esse mesmo impulso evolutivo e de sobrevivência, na vida moderna não nos ajuda a sobreviver e causa sofrimento.

Hoje, para sentir felicidade, a nossa tendência natural é procurar emoções e experiências positivas.

E quando fazemos isso, melhoramos a nossa aprendizagem e a nossa capacidade de prosperar e de ver novas oportunidades e as agarrar e muito maior.

Procurar a excelência e vivenciar satisfação não se excluem mutuamente.

Estar satisfeito não é sinónimo de contentar-se, mas sim aceitar e ter prazer naquilo que é.

É permitir sentir contentamento quer uma coisa esteja terminada ou esteja “perfeita” quer não esteja!

E essa sensação de satisfação não significa que tenho tudo percebido. Não significa que não me preocupo com os pormenores ou que não forço os limites nem incentivo toda a gente para ser melhor e melhor.

Ser um ambicioso satisfeito em vez de um rabugento insatisfeito. Assobiar de alegria enquanto trabalha ou ranger os dentes e bufar? A escolha é tua!

Todos precisamos da recompensa da satisfação e da realização a certa altura. Se continuar a renunciar-se a isso, então, a negligência será o seu calcanhar de Aquiles.

Quando alguém consegue estar satisfeito com aquilo que se encontra a fazer, consegue aceder a um maior fluxo e mais potencial e as pessoas ao seu redor vão apreciá-lo e recomendá-lo mais.

Sentirá uma sensação de conexão e de diversão e vai de novo atingir um nível de mestria de performance.

A diversão não é indulgente, é antes crucial para a criatividade, a saúde, a cura e a felicidade.

A vida é curta, por isso decida-se a apreciá-la! Traga alegria e honra àquilo que faz e sentir-se-á mais vivo, motivado e realizado e por isso feliz!

Para facilitar este percurso, experimenta:

  • Começar a escrever um diário no final de cada dia e anota 3 coisas que te correram bem ou melhor do que o esperado e sinta que foi uma bênção pela qual manifesta gratidão.
  • Junta a tua família ou a tua equipa uma vez por semana, sem outro motivo que não seja o de falar sobre o que está indo bem, sobre o que que entusiasma as pessoas e a diferença que os vossos esforços está a fazer na vida das pessoas.
  • Começa as reuniões pedindo aos outros para partilharem uma coisa boa que tenha acontecido e que possa dar à equipa uma sensação de alegria, de orgulho e de realização.

Permite-te sentir e celebrar as vitórias! Tem ambição satisfeito!

Exercícios práticos

Reflete sobre:

  1. As áreas da minha vida em que me senti mais continuadamente insatisfeito incluem …,
  2. Algumas coisas boas que também têm acontecido nessas áreas incluem …,
  3. Uma coisa que posso dizer a mim próprio na próxima vez que me sentir insatisfeito, para me fazer reparar nas coisas boas e continuar a avançar, é …,
  4. Alguém que me vê insatisfeito mais vezes do que eu gostaria é … e
  5. Se eu fosse inspirar essa pessoa a acreditar que é possível desfrutar da vida enquanto se trabalha muito e se obtém sucesso, teria de mudar estes comportamentos …

NEGLIGÊNCIA – ARMADILHA Nº 3

 

“Se as coisas não lhe correrem bem, inicie o seu esforço para corrigir a situação examinando com cuidado o serviço que está a prestar e, em especial, o espírito com que o está a prestar.”

  • Roger Babson

 

A negligência, como outras armadilhas da superioridade e do desapontamento, apanha-o de surpresa.

Nunca dirás para ti mesmo (a) que vais negligenciar a tua saúde, a tua equipa, as tuas responsabilidades e os teus sonhos.

O que acontece é que a tua paixão excessiva ou a sobrecarga de trabalho que te cega para o que é importante, durante tempo suficiente para que as coisas na tua vida descarrilhem.

Não se trata daquilo que fazes muitas vezes, mas daquilo que não fazes porque a tua obsessão numa área te tira a clareza em outras áreas igualmente importantes da tua vida.

Já viste pessoas que se empenham totalmente na sua carreira profissional e se esquecem de tudo o resto?

Qual é o resultado? São surpreendidas por uma ou mais áreas da sua vida que estão numa autêntica cascata de acontecimentos negativos apesar do sucesso profissional.

Isso gera sentimentos que acabam por derrubar essa pessoa. Isso aconteceu comigo!

Ninguém quer negligenciar partes importantes da sua vida a longo prazo, mas isso acontece muito mais frequentemente do que se supõe!

Quero que evites esse destino, pelo qual passei! Hoje vejo o quão fácil é evitar essa negligência.

Mas exige uma mudança mental que é difícil e muitas vezes radical como aconteceu comigo!

Há as pessoas que culpam tudo o resto por esse resultado catastrófico em suas vidas e há aquelas que assumem pessoalmente a total responsabilidade do ocorrido e e categorizam os fatores em duas áreas essenciais: desatenção e ganância.

Desatenção

Significa estar tão focado numa área da sua vida, como ocorreu comigo que só tinha foco na profissão, que fica completamente inconsciente dos problemas que crescem noutras áreas importantes da vida.

E, acredita, a desatenção é sempre doloroso na vida. >Irás posteriormente observar isso na tua vida com autoaversão e remorso.

E o pior e o mais doloroso é que as coisas em que acreditavas e que escalaram ao sucesso nessa área em que te focastes – trabalho árduo e persistência – acabam por ser aquilo que te causam a ruína!

O trabalho muito intenso, durante demasiado tempo, torna-se um vício, criando conflitos trabalho-casa, o que arruína o bem-estar do viciado e o leva a perder a performance e a adoecer! Foi isso que eu vivi!

Não caias nas garras da desatenção!

Não queiras ser aquela pessoa cega naquilo que deve ser óbvio. Há muitos sinais de aviso, como os sinais de trânsito ao longo da estrada para o desastre. É só prestares atenção!

Revê a matéria sobre a Clareza e  a Influência, bem como a da Produtividade e certamente terás a ajuda para evitares a desatenção e o desastre a que ela conduz!

A verdadeira solução é manteres atenção na qualidade e no progresso das áreas realmente importantes da tua vida.

Revê semanalmente os teus objetivos nessas áreas e os progressos e mantém-te comprometido com todas elas como um todo!

Ganância

Esta é um pouco mais complicada de gerir que a desatenção.

Como viste na produtividade, as pessoas de Alta Performance tornam-se eficazes porque são mais disciplinadas a definir prioridades e depois se focam na produção prolífica de qualidade.

É isso que as levam para o nível seguinte e as mantém a crescer e a agregar valor, só que quando esse foco se esmorece devido à ganância, a sua performance também cai.

E a ganância é o problema que surge de um desejo insaciável demais, conjugado com uma noção irrealista do que é possível fazer num curto espaço de tempo, levando ao excesso de compromisso.

Ou seja: Trata-se de tentar fazer demasiado, demasiado depressa e em demasiados domínios.

E isto surge porque quando se é bom, quer-se fazer mais e mais, só que esse impulso reverte e destrói o teu percurso.

Atenção que Alta Performance é muitas vezes fazer menos – ter o foco nas poucas coisas que são verdadeiramente importantes e ter tempo para desfrutar das outras áreas da sua vida com confiança e responsabilidade.

Alarga demasiado as tuas ambições, e o teu apetite em breve ultrapassará as tuas capacidades!

Lembra-te de teres presente que:

“O principal é manter a coisa principal como principal”

Eu sei quão difícil é a mudança de mentalidade. Parece até a antítese do que tem andado a fazer, como se se tratasse de uma abordagem perigosa, oposta, antagónica mesmo, mas é de uma importância vital!

– Desacelera, sê mais estratégico (a) e diz “não” mais vezes! –

Eu sei que isso parecer retirar-te poder!

Mas acredita que o trabalho incessante que te levou ao sucesso parece-te recompensador e ainda necessário, mas é isso que te levará ao esgotamento mental e se continuares nesse esforço de fazer mais, arriscas-te a perder tudo!

De intensificado a esgotado é um salto curtinho! Por isso desacelera! Sê paciente. Joga a longo prazo e a vida vai-te parecer menos uma luta e mais uma diversão!

Mas o que significa mesmo “desacelera”?

– Ponto um, em vez de teres uma vida reativa, toma posse do teu dia!

Desacelera significa tirares tempo para criares a tua agenda diária, semanal e mensal e seres dono do teu tempo!

– Ponto dois, importa também dizeres “não” às coisas que te fariam esticares teu dia e não cumprires com a tua agenda e o teu compromisso.

E para discernires entre sins e nãos a única maneira é pensares de forma estratégica. Implica pegares nas coisas e decompores cada uma ao essencial e planear e executar ao longo de meses e anos até as atingires!

Se a coisa nova com que te queres comprometer não te faz avançar estrategicamente para o teu objetivo final, deve ser adiada, por muito que te custe.

Não deixes a desatenção para aquilo que realmente te importa, ou o agarrares-te ao que não importa, faça esmorecer o ímpeto que tanto te custou alcançar!

Não te esqueças do que te trouxe até aqui

“Por vezes estamos tão preocupados em dar aos nossos filhos aquilo que não tivemos ao crescer, que negligenciamos dar-lhes aquilo que tivemos ao crescer”.

  • James Dobson

 

Não te esqueças dos hábitos positivos que te trouxeram até este nível de sucesso e não negligencies os hábitos que agora sabes que te levarão até ao teu próximo nível.

Negligência não é só ignorarmos os nossos problemas! Também o é quando nos esquecemos de continuar a fazer o que funcionava para nós!

Questiona-te quais foram as cinco principais coisas que garantiram o teu atual sucesso e questiona-te mais ainda se continuas a fazê-las?

Mais vou dar-te uma dica de como evitares negligenciar uma coisa importante para ti: “Ensina aos outros a valorizarem essa mesma coisa”!

Então, o que poderias começar a ensinar aos outros para que eles te responsabilizem por isso?

Exercícios práticos

Questiona-te sobre estes temas e age:

  • Uma área em que estou a negligenciar alguém ou alguma coisa na minha vida é…,
  • Uma área em que essa negligência me irá causar arrependimento mais tarde é…,
  • Uma área em que posso voltar a focar atenção para as coisas que realmente importam é…,
  • As áreas da minha vida em que me sinto demasiado comprometido neste momento são…,
  • As coisas a que preciso aprender a dizer não mais vezes são…,
  • Aquilo que quero mesmo perseguir agora, mas que poderia agendar para bem mais tarde é…,
  • As principais coisas responsáveis pelo meu sucesso em que me devo focar, apesar de tudo o resto que me atrai, são…,
  • A maneira como me vou lembrar sempre de não assumir demasiadas coisas é…

Verdades difíceis

Os culpados pelo roubo do teu sucesso não são a falta de valores ou de inteligência.

São em última instância o sentires-te separado dos outros e por isso deixares de prestar atenção a eles, a outros pontos de vista e a novas formas de fazer as coisas.

Tornas-te tão bom, que começas a notar apenas naquilo que está errado e assim um estado constante de desapontamento esgota-te a paixão.

Racionalizas o estares a negligenciar uma área importante da tua vida para continuares dizendo a ti mesmo (a) que vai “valer a pena” e por isso deixas de te focar naquilo que realmente importa na tua vida, valorizares e manteres saudáveis as tuas saúdes física, emocional, mental, profissional e financeira.

A superioridade, a insatisfação e a negligência são inimigas de uma vida saudável.

Fica sempre vigilante, evita-as e pratica os seis hábitos da Alta Performance e te manterás saudável!

Se para ti manter o sucesso é importante, mantém-no humilde, satisfeito e focado no que realmente importa na tua vida!

Teres uma vida extraordinária!

O FATOR PRINCIPAL

 

“Eles são capazes porque pensam que são capazes”

  • Virgílio

 

Nada está mais correlacionado com os níveis de Alta Performance do que a confiança.

A confiança é o segredo de estar à altura dos desafios. Estar confiante permite teres maior clareza, energia, produtividade, influência, necessidade e coragem.

A confiança permite-te sentir mais felicidade, um gosto por empreender novos desafios e a sensação de que fazes a diferença no mundo!

Assim num mundo cheio de preocupações com o excesso de trabalho, parece que trabalhar a nossa confiança pode nos salvar!

Quando estamos confiantes estamos mais dispostos a dizer não e mais seguros naquilo em que é importante manter o foco, o que nos torna mais eficientes e menos propensos para as distrações.

Quanto mais acreditas na tua capacidade para teres uma boa performance, mais provável é que faças coisas que te protejam, restaurem e melhorem a tua saúde!

Então, tornar-se mais confiante é bom para a saúde porque reduz o esgotamento, faz-te sentir mais feliz, mais disposto a enfrentares novos desafios e mais realizado (a).

Mas a confiança sozinha não causa a Alta Performance. É preciso cultivares e manteres os seis hábitos que te garantirão uma vida extraordinária!

Mas de onde vem o tipo de confiança que melhora a performance?

Vem dos três “Cs” da confiança.

OS 3 “C”s DA CONFIANÇA

“A autoconfiança é o primeiro requisito para grandes empreendimentos”

  • Samuel Johson

 

Então o que pensam, fazem e evitam as pessoas de Alta Performance para desenvolverem uma confiança tão forte?

Pensam mais vezes em coisas que lhes dão confiança, fazem mais vezes as coisas que lhes dão mais confiança e evitam mais vezes as coisas que lhes consomem a confiança!

E tudo isso assenta nesta três práticas que vou explicar de seguida:

  1. desenvolver mais competências
  2. ser mais congruente
  3. desfrutar mais conexão com aquilo que faz

PRIMEIRA PRÁTICA: Desenvolver Mais Competências

 

O tipo de confiança que está associada à melhoria da performance advém de acreditar mais nas capacidades numa tarefa específica. Assim, quanto mais aptidão – conhecimento, competência, capacidade ou talento – tiver para uma dada tarefa, maior probabilidade existe em ser confiante e ter uma boa performance.

A confiança não é um traço de personalidade fixo, mas antes um músculo que se desenvolve através do esforço.

Se costumas ir ao ginásio sabes como funciona. Quanto mais competente te tornas numa tarefa, mais confiante estarás para a experimentar várias vezes e para arriscares mais. E essa repetição e risco leva-te a mais aprendizagem, o que aumenta a tua competência. E mais competência gera mais confiança e assim por diante!

E crias confiança na capacidade de adquirires competências futuras porque passas a acreditar na tua capacidade de aprendizagem em geral.

Assim a competência-chave que dá confiança a quem tem Alta Performance é a capacidade de, perante novas situações, conseguir rapidamente compreender as coisas ou ganhar competências.

A competência que interessa é a capacidade de se tornar competente!

“As pessoas com Alta Performance refletem sobre as lições a tira das suas vitórias. Dão crédito a si mesmas e permitem que essas vitórias integrem as suas mentes e as fortaleça”

Exercícios práticos

Integre regulamente em sua vida a reflexão se questionando:

  • As competências – conhecimentos, capacidades, aptidões ou talentos – que me esforcei por cultivar na minha vida incluem…,
  • Se me desse crédito por todas estas coisas, sentir-me-ia mais…,
  • Uma coisa que aprendi a fazer nos últimos anos e pela qual ainda não me dei crédito é…,
  • Sinto que posso enfrentar um grande desafio neste momento porque sou bom a aprender a… e
  • Uma prática que vou começar a fazer todas as semanas para me ajudar a sentir mais confiante é…

SEGUNDA PRÁTICA: Ser Mais Congruente

 

“A autoconfiança é o primeiro segredo do sucesso”.

  • Ralph Waldo Emerson

 

Viver em congruência com o melhor daquilo que somos é uma das motivações primordiais da humanidade.

E isso leva-nos a perguntarmo-nos:

  • Estou a ser sincero com quem sou?
  • Sou de confiança, isso é sou verdadeiro para mim e para os outros?
  • Pratico aquilo que penso e que afirmo?
  • Ajo conforma o que acredito de mim mesmo (a)?
  • Tomo uma atitude quando o mundo duvida de quem me possa tornar?

E as respostas definem e determinam, em grande parte o nosso destino.

A variação daquilo que somos num dado contexto é natural e mesmo saudável até porque a vida é mudança e por isso também não somos sempre iguais.

Para nos sentirmos mais congruentes, o importante é estarmos mais conscientes sobre quem somos e que tipo de vida queremos viver.

O importante é estarmos conscientes ao definir e manter a nossa identidade.

E tudo isto requer escolhas e trabalho consciente.

Por isso as pessoas de Alta Performance abordam suas vidas sem esperar que sejam os outros a definirem quem elas podem ser!

Elas assumem o controlo, definem quem querem ser e começam a viver de acordo com a sua autoimagem.

“Moldaram a sua identidade com uma vontade consciente e alinharam os seus pensamentos, sentimentos e comportamentos para sustentar essa identidade”

E assim, quanto mais dias vivem em congruência com quem escolheram ser, mais sentem uma sensação geral de confiança na vida!

As pessoas com Alta Performance parecem acordar diariamente e ter uma intenção clara de quem querem de facto ser e, depois, saem para o mundo, focam-se e colocam a sua energia nessa intenção.

Elas mantem uma noção de autenticidade, de orgulho, de autoconfiança e de segurança que advém dessas ações congruentes.

Se entendes o poder da congruência, então, consegues compreender porque é tão importante o hábito de procurar clareza para sentir confiança.

Não consegues ser congruente com algo que nunca definiste.

Sem clareza e sem congruência não há confiança.

A confiança advém de ser verdadeiro consigo mesmo (a) e com os outros. Por isso não são aceites nem “pequenas mentiras”, porque isso fragiliza o seu caracter. O seu coração e a sua alma querem sentir que vive uma vida honesta.

Preenche cada semana com intenção face a quem queres ser e, depois alinha as tuas ações com essa tua autoimagem, assume a tua verdade, diz a verdade e vais obter mais confiança e sentir-te congruente!

Exercícios práticos

Questiona-te sempre:

  • A pessoa que quero de facto ser na vida podia ser descrita como…,
  • As três coisas que podia fazer todas as semanas para viver de forma mais congruente com a visão que tenho de mim próprio (a) incluem… e
  • As três coisas que devia, definitivamente, deixar de fazer para poder viver de forma mais congruente com a imagem ideal que tenho de mim próprio (a) são….

TERCEIRA PRÁTICA: Desfrutar de Mais Conexão Com Aquilo Que Faz

 

“Pode fazer mais amigos em dois meses, se mostrar interesse nas outras pessoas, do que conseguiria fazer em dois anos ao tentar que os outros se interessem por si.”

  • Dale Carnegie

 

As pessoas de Alta Performance adoram desenvolver a sua influência sobre os outros.

As pessoas de Alta Performance gostam de se conectar com pessoas e de aprender como estas pensam, o que as desafia e aquilo que estão a tentar defender neste mundo.

As pessoas de Alta Performance também gostam de partilhar essas coisas com os outros!

As pessoas de Alta Performance aprenderam o valor incrível de se relacionarem com os outros.

Descobriram que é ao se conectarem com os outros que mais aprendem sobre elas próprias e o mundo!

É a conexão que têm com os outros que inspira maior congruência e competência.

E que quanto mais trabalham com os outros, mais aprende sobre si mesmo, sobre novas formas de pensar, sobre novas competências e sobre novas formas de servir e isso motiva-as a se envolverem!

As pessoas de Alta Performance não estão a pensar em promover-se ou naquilo que têm a dizer aos outros, mas antes naquilo que podem aprender ou em como podem servir mais e melhor os outros!

Exercícios práticos

Questiona-te sempre:

  • O principal motivo pelo qual quero tornar-me melhor com as pessoas é…?
  • Eu sei que me tornarei mais confiante com as pessoas quando…? E
  • A fim de obter mais confiança com as pessoas, daqui em diante quando falar com elas, vou pensar comigo mesmo…?

Uma FÓRMULA para Manter o Sucesso

“Assim que confiar em si mesmo (a), saberá como viver.”

  • Johann von Goethe

 

A curiosidade em cada uma das diferentes áreas da vida foi a fórmula que fomentou o desenvolvimento das pessoas de Alta Performance como construtores de confiança através das suas três colunas – competência, congruência e conexão.

Foi a curiosidade que desenvolveu os seus conhecimentos, competências e capacidades.

Também foi a curiosidade que as levou à autoanálise. Só com muitas perguntas a nós próprios vemos se estamos a viver uma vida de congruência.

E foi a curiosidade que os levou a procurar os outros.

Então a verdadeira fórmula da confiança está na curiosidade pela competência, pela congruência e pela conexão!

CONFIANÇA = Curiosidade x (Competência + Congruência + Conexão).

O potencial desta equação é que tu não precisas fingir que és sobre-humano!

Basta quereres aprender coisas novas, viveres alinhado com quem tu te queres tornar e interessares-te pelos outros!

E para chegares lá, tu só precisas começar a condicionar o teu diálogo interno que te diz:

  • Sei o que fazer e como adicionar valor! (ou, pelos menos, acredito na minha capacidade para perceber as coisas e estou disposto (a) a tentar o quanto for preciso).
  • Sei que estou a viver de forma alinhada com a pessoa que quero tornar-me!
  • Sei que me vou dar bem com os outros, porque estou genuinamente interessado (a) em aprender sobre eles e em servi-los!

Se fizeres disto os teus pensamentos recorrentes, criarás esta realidade em tua vida e te tornarás mais confiante e estarás no caminho da Alta Performance!

É claro que este caminho para uma vida de excelência estará sempre cheio de dificuldades, mas honra o facto de ser difícil implementar os hábitos e as práticas que te conduzem a essa vida extraordinária!

Por isso não é para todos, mas será certamente para ti se te determinares a tal!

Embora o percurso te vá desafiar, pelo menos agora tens um mapa, um roteiro. Conheces os seis hábitos e as práticas para implementar a cada um e assim alcançares essa vida de excelência.

Lembra-te:

  1. Procura Clareza sobre quem queres ser, como queres interagir com os outros e o que trará verdadeiramente significado à tua vida!
  2. Produz Energia para poderes manter o foco, o esforço e o bem-estar. Cuida ativamente da tua resistência mental, energia física e emoções positivas!
  3. Promove a Necessidade de teres o teu nível de performance. Verifica nos padrões internos da tua identidade, crenças, valores e expectativas de excelência as razões de facto para teres Alta Performance e também quais as exigências externas como compromissos e obrigações sociais.
  4. Aumenta a Produtividade na tua principal área de interesse. Especificamente precisarás de te focar na tua produção prolífica de qualidade na área em que queres ser conhecido e ter impacto. E não te esqueças de minimizar as distrações ou oportunidades que desviam a tua atenção da produtividade.
  5. Desenvolve Influência com quem te rodeia, faz com que acreditem em ti e apoiem os teus esforços e ambições. A maioria das conquistas a longo prazo são praticamente impossíveis sem uma rede de apoio positiva.
  6. Demonstra Coragem ao expressares as tuas ideias, ao agires de forma ousada e ao defenderes a ti e aos outros, mesmo diante do medo, da incerteza e em condições desafiantes.

A partir de hoje, antes de qualquer ação, reunião, telefonema, antes de iniciares qualquer projeto novo ou de perseguires qualquer objetivo, revê e põe em prática os seis hábitos.

Vou-te contar uma história

Há 25 anos atrás eu estava vivendo um triplo choque, encamado duma pós-cirurgia, deprimido, saído dum divórcio litigioso, vivendo só e a perda do meu melhor amigo – meu pai! Tentei o suicídio…!

(Conhece a minha história mais em detalhe nesta entrevista feita por Rui Gabriel – meu mentor)

Aprendi que o mais importante é que no final da minha vida me perguntaria se vivi, se amei e se fiz a diferença e naquele momento não conseguia responder afirmativamente a essas perguntas.

Por isso decidi tentar mudar a minha vida.

Decidi esforçar-me para me tornar a melhor versão de mim próprio e que essa seria a honrada forma de gratidão pela segunda oportunidade de viver que me estava sendo oferecida!

E assim iniciei um percurso, que passei a esforçar-me por ser consciente, de aprendizagem e à descoberta de uma vida de excelência, uma vida extraordinária de fazer a minha parte e cumprir a minha missão.

Uma vida de intenção!

E tudo mudou, me transformei e continuo no processo!

Espero que também tu tenhas ou possas decidir viver de intencionalidade e cries reverência pela vida!

Espero que acordes todas as manhãs decidido (a) a praticar os hábitos da Alta Performance que te deixarão com orgulho de viver!

Faço votos que enquanto te esforças pra ter uma vida extraordinária, tragas alegria e honra à luta e tentes servir os outros!

Espero que um dia, quando olhares para trás, tendo alcançado um nível de performance que nunca sonhaste ter, possas dizer que o desejavas, que trabalhaste para isso, que quisestes que acontecesse e sobretudo que nunca desististe e jamais desistirás de manter essa excelência!

Tornaste-te extraordinário (a) porque assim escolheste e assim o fizeste!

Eu creio que essa realidade é algo disponível para todos os seres humanos!

Agora, vá merecê-la!

“Seja o que fores, sê bom nisso!”

  • Abraham Lincoln

Quem não se envolve, não se desenvolve!

EVOLVE – Cresce com o teu negócio

Gostaste deste artigo? Partilha!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Pensamos que poderás gostar destes Artigos Relacionados com o que acabaste de ver!