António Milheiro

A Essência Do Marketing De Rede

Índice do Artigo

(Tempo de Leitura: 4 minutos)

O CONCEITO DO MODELO DE NEGÓCIO

O MARKETING DE REDE nasceu na década de 40 do século passado como um novo modelo de distribuição de produtos ou serviços e por forma a aproximar mais o produtor e o consumidor final e proporcionar mais ganhos para ambos.

Na época, nada mais era do que do que uma forma de remunerar aquilo que se chamou venda direta.

Venda Direta porque era diretamente do produtor para o consumidor final que tinha benefícios (ganhos/descontos/bónus em dinheiro) por se associar ao produtor como cliente fidelizado.

Este cliente fidelizado passou a poder revender diretamente os produtos ou serviços ao cliente final que não quisesse associar-se ao produtor, ganhando nas Vendas Diretas das suas compras e vendas pessoais.

O conceito alargou-se para possibilitar que esse cliente fidelizado pudesse indicar outras pessoas das suas relações com quem partilhava a satisfação do consumo dos produtos ou serviços para também se associar ao produtor em parceria por indicação.

Esta associação em parceria poderia ser apenas para consumir os produtos com descontos pela fidelização e ou também para revender a clientes finais e para indicarem novos parceiros para o produtor, os quais também teriam os benefícios de clientes fidelizados e ou de divulgadores da marca.

E assim passou a ser uma equação a três em que todos ganham por promoverem e utilizarem e darem vida à marca:

  1. O PRODUTOR – A Indústria de MARKETING DE REDE
  2. OS PARCEIROS / CONSULTORES (Clientes Fidelizados) – O profissional do negócio – Networker
  3. OS CLIENTES FINAIS – Mercado Consumidor.

 

Qual a grande inovação em relação ao modelo tradicional de distribuição de produtos e serviços?

Os Clientes Fidelizados e os Clientes Finais passaram a fazer parte da equação do DINHEIRO!

 

A EQUAÇÃO DO DINHEIRO

 

O que é que é a “equação do dinheiro”?

No modelo de distribuição de produtos e serviços tradicional todos os intervenientes no processo ganham dinheiro, com exceção do cliente final que suporta no preço dos produtos ou serviços todas as custas e remunerações dos restantes intervenientes desde o produtor até ao retalhista ou comerciante que é o vendedor final do produto ou serviço ao cliente.

Todo este canal de distribuição, mais ainda os transportadores, publicitários e os que fazem o marketing oneram o preço final do produto ou serviço pago pelo consumidor!

Este, mesmo que conheça o fabricante não pode ir até ele para comprar, tendo que o fazer numa loja de um comerciante retalhista no fim do canal de distribuição!

O preço final do produto está majorado! Um produto que, por exemplo custe 0,50. € na produção é vendido por 5,00. € para pagar todas as despesas e remunerações de todo o canal de distribuição.

Assim, ao longo desse processo de distribuição tradicional o produto é majorado.

Então o que foi criado lá atrás, na década de 40 do século passado, foi uma fórmula, um sistema de remunerar a venda direta em múltiplos níveis!

A promoção dos produtos é feita na base da confiança de quem usa, confia e partilha a experiência.

Neste sistema também não há a obrigação de fazer stock de produtos, uma vez que o produtor os tem à disposição sempre que preciso, fazendo-os chegar ao cliente com celeridade!

Então surgiu o plano de remuneração ou plano de marketing, nessa mesma década de 40 do século passado, para que você fosse remunerado das suas vendas diretas, da consultoria que faz aos seus clientes e parceiros e das vendas dos seus parceiros diretos indicados clientes ou para parceiros diretos e indiretos.

 

O SISTEMA DE REMUNERAÇÃO EM MÚLTIPLOS NÍVEIS

Assim o MARKETING DE REDE nada mais é do que um sistema de remuneração em múltiplos níveis do seu negócio de vendas diretas.

E vendas diretas implica a existência de um produtor ou fabricante, de produtos (de preferência de uso recorrente e que por isso implique recompra), de consumidores e de parceiros que promovam as vendas e que indiquem novos parceiros aumentando assim o giro de produtos e que ganham bónus por esse trabalho!

Neste sistema também não há limites de indicações de novos parceiros e nem de clientes.

Para os que perguntam: De onde vem o dinheiro dos bónus desse negócio?

Eu respondo: O dinheiro vem da venda do produto, da movimentação de produtos que são consumidos, preferencialmente de forma recorrente e por isso vem do cliente final como acontece no canal de distribuição e abastecimento do mercado no tradicional!

A diferença é que:

– Foram eliminados os intermediários e respetivos custos,

– Aqui o cliente entra na equação do dinheiro ganhando por comprar e consumir!

– O produtor reparte parte dos lucros com os seus parceiros/clientes de forma pré-estabelecida no plano de marketing.

– Outra parte dos lucros (muitos dos quais originados por ausência de custos de intermediários) é investida para a investigação e produção de produtos de elevada qualidade face ao mercado em geral.

 

A CRIAÇÃO DE REDE DE CLIENTES E DE PARCEIROS

 

Assim o negócio desenvolve-se a partir da criação de uma rede de clientes e de parceiros com vista a alargar o alcance do mercado consumidor, maioria das vezes em outros países e até continentes, isto é, a nível global!

E os profissionais de um negócio de MARKETING DE REDE são chamados de Networkers.

Como consultores são pagos pelo volume de produtos movimentados por si e pela equipa de parceiros criada e ainda pela consultoria, divulgação e marketing da marca!

Divulgam a marca, o produto e o negócio alargando o mercado sem fronteiras!

É um negócio simples em que usa os produtos da marca sua parceira, divulga-os, vende e convida novos parceiros para fazer o mesmo!

É um negócio simples!

É um negócio que como qualquer um terá de investir algum capital inicial para comprar produtos para seu consumo e eventual revenda!

É um negócio que exige tempo, dedicação, persistência e gostar de pessoas (os seus clientes e parceiros) como em qualquer outro negócio.

Tem a vantagem de o risco ser praticamente nulo, porque o capital investido é em produtos para consumo próprio e revenda e não exige infraestruturas (como espaço físico, mobiliário, stock, empregados e outras), nem despesas relativas a estas.

É um negócio que, à partida, não exige capacidades específicas, apenas vontade de aprender porque no decorrer da atividade será treinado para ser um especialista – um profissional de Networking.

Tem a vantagem de ser um negócio com experiência daqueles que já exercem a atividade e que irão ensinar-te e conduzir-te no caminho do sucesso.

Gostaste deste artigo? Partilha!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Pensamos que poderás gostar destes Artigos Relacionados com o que acabaste de ver!